domingo, 4 de janeiro de 2009

O estranho

Todas as noites sonha sonhos ardentes que levam sua alma a desbravar prazeres desconhecidos. Deliciosas sensações que somente o desconhecido, presente nos sonhos, é capaz de fazê-la experimentar.

A cada noite, um deleite. A cada amanhecer, percebe a umidade secreta daquele lugar soturno que o estranho conhece melhor que qualquer um que já tivera a oportunidade de sentir. Porém, a cada abrir dos olhos, ao notar a inexistência do seu homem, um vazio toma conta do peito, que é involuntariamente invadido pela saudade e pela tristeza de não estar ao lado daquele por quem procurou a vida inteira.

Então, para amenizar tamanha dor, ela tenta dormir novamente, a fim de reencontrá-lo, mas o sono não vem.

Levanta, cobre o corpo nu com suas vestes e sai à procura de pílulas para dormir. Todos os lugares por onde passa, a rua, os carros, as pessoas, tudo traz a imagem embassada do homem à tona.

Ela pára. Olha para todos os lados, como que tentando encontrá-lo em meio à muitidão. Olha para um, para outro e mais outro, mas não o vê. Desespera-se. A falta dele inunda sua alma de angústia. Ela chora e, com o rosto coberto pelas lágrimas, segue, desnorteada, em busca das pílulas. Finalmente as encontra.

Já em casa e despida, toma uma, duas, três pílulas. O sono vem. As almas tornam a se encontrar. Olham-se nos olhos e ela se sente devorada pelo homem dos seus sonhos.

Enquanto dorme e sonha, inconscientemente, toca levemente a gruta úmida entre suas pernas, como se ele a estivesse tocando. Belisca os seios como se ele o fizesse. Sente as próprias mãos tocar seu corpo como se fossem as mãos grandes e ásperas do homem a lhe tocar.

Alcança, mais uma vez, o prazer. Chega ao píncaro, como se ali o homem estivesse presente em carne e osso. Com os dedos a penetrar sua intimidade, como se fosse o membro do desconhecido, ela goza e, trêmula, acorda.

Mais uma vez é invadida pela decepção e pela saudade. Novamente ela toma as pílulas e, outra vez, volta a sentir o prazer proporcionado por aquele anjo desconhecido, cujo rosto seus sonhos jamais a revelou.

Nenhum comentário: