quarta-feira, 29 de outubro de 2008

A vida é um filme triste

Eles se conheceram, se gostaram e se amaram. Na verdade, só ela o amou e ele a fez acreditar que também a amava. Fez promessas e planos, pediu-a em casamento, jurou-lhe felicidade eterna e prometeu dar-lhe dois filhos: Miguel e Luíza. Ela nunca pediu nada. Entrou no relacionamento sem qualquer expectativa, simplesmente porque gostava dele e muito o admirava.

Um dia, com um falso e convincente brilho no olhar, que arrebatou o coração da jovem ingênua, ele disse "eu te amo". Ela caiu de amores e, por três meses, achou que, finalmente, tivera encontrado o homem da sua vida.

Os dois combinavam em tudo: as mesmas músicas, os mesmos pensamentos, as mesmas ambições, a mesma sintonia. Na cama não tinha pra ninguém. Seus corpos se juntavam num encaixe perfeito. Ele entendia cada gesto, cada olhar e guiava seu corpo em movimentos magistrais, como numa dança, em que a dama é guiada primorosamente pelo seu cavalheiro.

Seu olhar era profundo e quando fitava os olhos radiantes e inocentes da moça, ele dizia "eu te amo". Para ela nada soava tão lindo como esse "eu te amo", que parecia ecoar em tom sincero, ao som grave e inigualável de sua voz.

Ele transmitia segurança, fazia com que ela se sentisse amada de verdade, a mais bela e adorada de todas as mulheres, e devolveu a ela um sorriso que poucos conheciam. Ela o amou intensamente a cada instante. Acreditou em suas pérfidas promessas e rendeu-se completamente aos seus encantos. Deixou-se levar sem medo pela magia daquele amor que mostrava-se tão puro e casto quanto uma criança que acabou de nascer. Acreditou ter encontrado a felicidade que por tanto tempo esteve à procura.

Tudo não passou de uma grande mentira. Ele jamais cumpriu suas promessas, pois seu amor era falso. A ela, devolveu a infelicidade e dela tirou todos os sonhos. Transformou-a numa mulher amarga e descrente, arrancou dos seus olhos a última gota de lágrima e colocou no seu coração o mais doloroso dos sofrimentos. Seu olhar perdeu a vivacidade e seu sorriso jamais voltou a reluzir. A vida para ela perdeu todo o sentido.

Quanto a ele... deve estar por aí, à procura de uma nova presa a ser envolvida por seus longos tentáculos.

E assim, a vida continua. Para alguns, como um filme sem final feliz.

Nenhum comentário: